Região Centro-Oeste

Brasília, DF

11 de setembro de 2017

Local a definir

Brasília encerra período de contribuições à BNCC

Último encontro organizado pelo CNE teve falas sobre a relevância da implementação para o sucesso do documento

Brasília sediou a última audiência pública sobre a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) na segunda-feira, 11 de setembro. Organizadas pelo Conselho Nacional de Educação, as audiências aconteceram nas cinco regiões do país para ouvir a sociedade sobre a terceira versão do documento.

Esta foi a última etapa do processo de construção da BNCC e reforça o caráter colaborativo e democrático da elaboração do documento até aqui. Com as contribuições apresentadas nas falas das audiências e os documentos recebidos por e-mail, o CNE produzirá um parecer e uma resolução normativa, podendo propor ao Ministério da Educação (MEC) mudanças no texto da Base. As contribuições por e-mail também foram encerradas nesta segunda-feira (11/09).

Na região Centro-Oeste

Na audiência de Brasília, os participantes falaram sobre o propósito da BNCC e sua importância para uma educação com mais equidade e qualidade. Os próximos passos do processo também foram lembrados: com a homologação, esperada para acontecer ainda este ano, as redes públicas de ensino precisam dar início à implementação, o que envolve revisão de currículos e formação de professores.

Confira nossos destaques:

“O Plano Nacional de Educação e a Base Nacional Comum Curricular são dois processos históricos que buscam melhorar a questão da equidade educacional.Deixar claro o que esperar de crianças, jovens e adultos que frequentam a escola é um direito importante para a equidade.”
Cleuza Repulho, ex-presidente da Undime e integrante do Movimento pela Base

“A Base é um instrumento de proteção dos direitos de aprendizagem de crianças e adolescentes, mas também de proteção dos direitos dos professores, sem os quais os primeiros não se concretizam.”
Ítalo Dutra, Unicef Brasil

“Depois que a Base for homologada, os municípios terão de rever seus currículos e cuidar da capacitação de todos os atores do processo, para que então o documento se torne verdade nas redes. Em Goiás, temos estimulado as secretarias para compor as equipes desde já e começar a pensar nessas questões para chegarmos mais maduros na implementação.”
Marcelo Ferreira da Costa, secretário municipal de Goiânia e presidente da Undime Goiás

“Ressaltamos a importância do cumprimento dos prazos pactuados para a conclusão do parecer do CNE para que os direitos que a BNCC representa não tardem a chegar nas salas de aula e para que as redes tenham o ano de 2018 para estruturar a implementação.”
Álvaro Domingues Jr., Fórum Nacional dos Conselhos de Educação

“A Base é um avanço necessário para assegurar políticas curriculares promotoras de aprendizagens de desenvolvimento integral, equidade e direitos de aprendizagem em âmbito nacional. É uma conquista supra partidária. A Base não deve ser considerada a solução para todos os desafios, mas com certeza um passo enorme para superá-los.”
Antonio Neto,  do Instituto Ayrton Senna

“A construção da Base não se esgota com a aprovação do texto, serão necessárias políticas sólidas de formação inicial e continuada dos professores, da garantia das condições materiais de trabalho e políticas de desenvolvimento profissional, que inclua um plano de carreira, valorização e remuneração dos docentes.”
Anna Helena Altenfelder, presidente do Conselho do Cenpec

“O parecer do CNE é indispensável para que a Base chegue às salas de aula, onde sua ausência se faz sentir todos os dias. A contribuição do CNE é indispensável para que Base se materialize na implementação de políticas educacionais mais consistentes e focadas na aprendizagem das crianças.”
Felipe Michel Braga, da Fundação Lemann

“Há necessidade que os educadores tenham sua autonomia preservada e condições de trabalho assegurada ao longo do processo de elaboração e reelaboração dos currículos,  para que a partir da Base possam discutir os princípios que guiam sua ação educativa.”
Patrícia Dias, diretora da Comunidade Educativa Cedac

“Estamos juntos com o Consed pensando na preparação dos municípios e estados para a chegada da implementação. O que vai definir o sucesso da Base é a sua implementação, é a Base estar de fato sendo vivenciada no dia a dia das salas de aula.”
Aléssio Lima, presidente da Undime e membro do CNE

A homologação está prevista até o final deste ano e você continua acompanhando todas as novidades sobre a Base e seu processo nos canais do Movimento.