Em setembro, dois estados protocolaram a versão final de seus documentos curriculares da etapa do Ensino Médio para análise em seus respectivos Conselhos Estaduais: Roraima, no dia 21, e Mato Grosso, no dia 29. Após aprovação, os documentos serão apresentados aos gestores escolares para conhecimento e, então, a implementação ocorrerá nas redes estaduais de ensino.

“Antes, as escolas tinham diretrizes, mas elas não eram obrigatórias. Agora, o documento curricular retrata qual é o conteúdo, qual é a habilidade e qual é a competência que deve ser abordada em cada ano”, explicou Márcia Helena Maia de Lima, coordenadora da equipe Pró-BNCC em Roraima, destacando que cada escola ainda terá certa autonomia para adequar o documento à realidade da comunidade em que está inserida.

Entre as principais mudanças que o documento de Roraima traz está o aumento da carga horária de 800 horas para 1.000 horas anuais, a oferta dos Itinerários Formativos e a oferta da língua espanhola dentro da parte diversificada do currículo, tendo em vista a localização geográfica do Estado.